Bolsonaro é denunciado em Corte por ‘crimes contra a humanidade’

Denúncia apresentada no Tribunal Penal Internacional aponta incitação à violência contra indígenas, prejuízo à fiscalização e omissão em crimes ambientais na Amazônia

Foto: Alan Santos/PR

Nesta quarta-feira (27), Jair Bolsonaro (PSL) foi denunciado ao Tribunal Penal Internacional (TPI) por “crimes contra a humanidade” e “incitação ao genocídio de povos indígenas” do Brasil. De acordo com reportagem da Folha de S.Paulo, a representação é da Comissão Arns e do Coletivo de Advocacia em Direitos Humanos.

Agora, o Tribunal Penal Internacional decide se abrirá investigação. Segundo a denúncia, Bolsonaro incitou violência contra populações indígenas, enfraqueceu a fiscalização e foi omisso na resposta a crimes ambientais na Amazônia. A intenção das instituições de levar a situação ao TPI é estimular que força internas do país apurem as graves questões.

Foto: Rodolfo Oliveira / Agência Pará

É fato que Bolsonaro não tem nenhum apreço em defender os povos indígenas e o meio ambiente. Durante o primeiro ano de seu mandato, não soube agir em nenhuma das situações: acusou ONGs e indígenas de terem colocado fogo nas florestas, foi omisso quando manchas de óleo chegaram ao litoral do Nordeste, afrouxou a fiscalização contra o desmatamento e as demarcações de terra e fez um discurso vergonhoso na abertura da Assembleia Geral da ONU. Todas essas ações demonstram que Jair não tem respeito nem pela população brasileira e nem pela natureza.

Desde que o desgoverno assumiu, o retrocesso reina. Políticas de fiscalização e de estímulo de regularização fundiária estão sendo engavetadas e, em seu lugares, estão sendo colocadas ações que incitam a violência contra indígenas e movimentos sociais, a destruição predatória do meio ambiente em nome do ‘desenvolvimento’, entre outras medidas que prejudicam o Brasil e podem ser irreversíveis se mantidas a longo prazo.

Da Redação da Agência PT de Notícias com informações da Folha de S.Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *