Governo admite que cloroquina pode agravar quadros de covid-19, mas amplia o uso

Governo admite que cloroquina pode agravar quadros de covid-19, mas amplia o uso

maio 20, 2020 0 Por admin

Cloroquina não tem comprovação científica contra o novo coronavírus – Marcelo Casal Jr./Agência Brasil

Ministério da Saúde publicou protocolo em que inclui a indicação do medicamento em casos leves e moderados

Ministério da Saúde publicou protocolo em que inclui a indicação do medicamento em casos leves e moderados

Continua após a publicidade





Redação – Brasil de Fato | Brasília (DF)

O Ministério da Saúde publicou nesta quarta-feira (20) um protocolo para a ampliação do uso da cloroquina e da hidroxicloroquina no tratamento “precoce” contra covid-19, mesmo atestando que os medicamentos podem agravar a condição de saúde de algumas pessoas.

A orientação agora é para tratar também infectados com sintomas leves ou moderados – antes, a medicação só era prevista pelo governo para casos graves e críticos em hospitais.

::Leia mais: Cloroquina: o que dizem os estudos sobre medicamentos para combater o coronavírus::

O próprio texto, que apresenta recomendações sem a assinatura de qualquer profissional da saúde, alerta que “não existem evidências científicas robustas que possibilitem a indicação de terapia farmacológica específica para a covid-19”.

A ausência de tratamentos eficazes contra o novo coronavírus é justamente o que embasa a recomendação publicada pelo Ministério.

O protocolo ainda reforça que os médicos têm autonomia para receitar ou não a aplicação da cloroquina e da hidroxicloroquina aos pacientes.




Termo de consentimento

O Ministério da Saúde publicou, ainda, um modelo de termo de consentimento a ser assinado pelos pacientes submetidos ao medicamento.

No documento, pontua-se que há pesquisas em andamento sobre o uso da cloroquina no tratamento contra o coronavírus, na China e na França, mas que “não há, até o momento, estudos demonstrando melhora clínica dos pacientes com COVID-19 quando tratados com hidroxicloroquina”.

O texto reforça que os remédios podem causar “redução dos glóbulos brancos, disfunção do fígado, disfunção cardíaca e arritmias e alterações visuais por danos na retina”.

Conforme o acordo de consentimento proposto, o paciente que deve aceitar os riscos e concordar que “não existe garantia de resultados positivos, e que o medicamento proposto pode inclusive agravar minha condição clínica, pois não há estudos demonstrando benefícios clínicos”.

Edição: Luiza Mançano