Em carta a Mourão, 8 países europeus dizem que desflorestamento no Brasil torna investimento difícil

Em carta a Mourão, 8 países europeus dizem que desflorestamento no Brasil torna investimento difícil

setembro 16, 2020 0 Por admin

Foto: Romério Cunha/VPR

Da Sputnik

Por meio de carta enviada ao vice-presidente Hamilton Mourão, oito nações europeias disseram que a “tendência crescente de desflorestamento no Brasil está tornando mais difícil” o investimento no país. 

A carta, assinada pelos embaixadores de Alemanha, Dinamarca, França, Itália, Holanda, Noruega, Reino Unido e Bélgica, foi enviada neste terça-feira (15) ao general Mourão, que lidera o Conselho da Amazônia, segundo o jornal Folha de S.Paulo. 

“Enquanto os esforços europeus buscam cadeias de suprimento não vinculadas ao desflorestamento, a atual tendência crescente de desflorestamento no Brasil está tornando cada vez mais difícil para empresas e investidores atender a seus critérios ambientais, sociais e de governança”, diz a carta. 

Cópias do documento foram entregues aos ministros da Defesa, Economia, Agricultura, Meio Ambiente e à presidência da Funai.

‘Ações reais e imediatas’

O texto afirma ainda que, “no passado”, “o Brasil demonstrou ser capaz de expandir sua produção agrícola e, ao mesmo tempo, reduzir o desflorestamento”. 

Além disso, os embaixadores dizem contar com o compromisso político do governo brasileiro para reduzir o desflorestamento, e esperam “que isso se reflita em ações reais e imediatas”. 

A carta diz ainda que as empresas europeias buscam responder a “um interesse legítimo dos europeus por alimentos e outros produtos feitos de forma justa, ambientalmente adequada e sustentável”.

Situação crítica na Amazônia e Pantanal

Segundo dados do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia, que coordena o Sistema de Alerta de Desmatamento do Imazon, o desmatamento na floresta subiu 68% em agosto em relação ao mesmo período do ano passado. Foram 1.499 km² de floresta perdida num único mês, número mais alto dos últimos dez anos. 

Nos primeiros oito meses do ano, a área de mata nativa perdida foi 5.190 km², 23% a mais do que em 2019.

No Pantanal, as queimadas registram recordes neste ano. Os estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul decretaram estado de emergência.