Dólar em alta foi decisivo para Mercedes fechar fábrica com 370 trabalhadores em SP

Dólar em alta foi decisivo para Mercedes fechar fábrica com 370 trabalhadores em SP

dezembro 19, 2020 0 Por admin

Mercedes Benz nunca cumpriu a promessa de gerar até 3 mil empregos indiretos na região – Divulgação




Empresa responde por 8,4% do Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISSQN) arrecadado por Iracemápolis (SP)

Redação – Brasil de Fato | São Paulo (SP)

Após anunciar, na última quinta-feira (17), o encerramento das atividades de uma fábrica de automóveis em Iracemápolis (SP), a montadora alemã Mercedes Benz abriu negociações com o Sindicato dos Metalúrgicos de Limeira, Rio Claro e Região, que convocou assembleia para a próxima semana. A empresa deu férias coletivas aos 370 trabalhadores.

Um dos motivos do fechamento da unidade é a alta do dólar. Em março de 2018, apenas dois anos após a inauguração, a linha de montagem operava com 35% da capacidade total, devido à desvalorização da moeda brasileira. Com a pandemia, a situação se agravou, inviabilizando a continuidade dos negócios, segundo a empresa.

Menos de 40% dos componentes dos carros são fabricadas no Brasil. A alta cotação do dólar encarece a importação dessas peças de fora do país. A moeda estadunidense, que em janeiro valia R$ 4,15, desde abril é vendida acima de R$ 5,00. 

A valorização do real era uma das promessas de campanha de Jair Bolsonaro (sem partido), em 2018.

Leia também: Mercedes Benz de Juiz de Fora (MG) pode deixar 900 desempregados

Outro argumento usado pela empresa é a necessidade de inovação, em um contexto em que veículos híbridos e elétricos passam a ser prioridade. “A Mercedes-Benz AG está trabalhando rumo ao futuro da mobilidade neutra em CO2 e investindo na transformação da companhia, com foco na eletrificação e digitalização de seus veículos. Isso inclui a otimização de sua rede global de produção”, diz nota divulgada pela companhia.

A Mercedes Benz responde por 8,4% do Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISSQN) arrecadado por Iracemápolis em 2020 e é a segunda maior empregadora do município. Em 2016, a promessa era gerar até 3 mil empregos indiretos na região, o que jamais se concretizou. A estimativa de produzir 20 mil automóveis, da mesma forma, nunca foi cumprida.

O sindicato afirma que foi pego de surpresa pela notícia do fechamento e informou que a maior parte dos trabalhadores vive na cidade vizinha de Limeira.

Edição: Rogério Jordão

Siga A Voz do Cerrado no Telegram