A velha burguesia perdeu poder e hoje fica à sombra dos novos donos do mercado: os bilionários

A velha burguesia perdeu poder e hoje fica à sombra dos novos donos do mercado: os bilionários

novembro 15, 2021 0 Por admin


© REUTERS / Amanda Perobelli / Direitos reservados

Marília Fiorillo diz que os grandes capitais substituíram a burguesia e agem como querem para alcançar seus objetivos

Marília Fiorillo / Rádio USPhttps://jornal.usp.br/?p=471077

No século retrasado, os pensadores geniais definiram o estado como comitê que administra os negócios da burguesia. A ideia de Marx e Engels está expressa no Manifesto Comunista e na obra A origem da família, da propriedade privada e do Estado. As relações íntimas entre a antiga burguesia e a riqueza continuam valendo, mas, se o manifesto fosse reescrito hoje, talvez definisse o Estado como comitê executivo não dos burgueses, mas dos muito endinheirados e parasitários. “Aquela burguesia laboriosa do século 19, que tinha sido revolucionária ao alavancar os meios de produção, atualmente, é só coadjuvante se comparada ao protagonismo do capital financeiro”, diz Marília. 

Os donos do capital da modernidade trocaram os meios de produção pela especulação financeira e outros têm como hobby produzir naves espaciais. A antiga burguesia se ocupava da economia, enquanto seu sucessor a trocou pelo mercado, uma palavrinha enigmática definida por várias características exatas e dependente de vários fatores e infraestruturas da sociedade. “O fator esquecido pelos muito endinheirados, cujo aborrecimento é não saber onde colocar tanto dinheiro sobrando, é o “fator gente”, aquela turma gigantesca que vive de vender o único bem que possui: a sua capacidade de trabalho”.

“A série de humor negro Succession mostra as entranhas das relações promíscuas entre um grupo de mídia, políticos e canibalismo familiar”, diz a colunista. A série foi premiada e aclamada pela crítica, e não se trata de uma caricatura. “É tudo verdade nessa ficção que imita o real”, afirma. “Escrúpulo é sinônimo de ser otário; ter na mão vários políticos poderosos é indispensável; e a única agenda que vale é levar a melhor, isto é, quem vai ganhar a corrida da acumulação de dinheiro e poder”.